Depoimentos - MacTex®


Não. Existem dois tipos de geotêxteis, os tecidos e os não-tecidos. Cada geotêxtil, sendo ele tecido ou não-tecido, possui características e propriedades únicas, que dependem do tipo de matéria-prima e do processo de fabricação quais são produzidos. A matéria-prima e o processo de fabricação oferecem a cada geotêxtil propriedades ideais para os vários tipos de aplicação existentes em obras geotécnicas, hidráulicas, de proteção ambiental, entre outras, sendo possível determinar a partir das características mais importantes para cada aplicação, o geotêxtil mais indicado.

  


Não necessariamente. Os geotêxteis podem ser utilizados em diversas aplicações em obras de engenharia, sendo que cada aplicação requer características específicas, onde em alguns casos a gramatura não é a mais importante. Como exemplo, podemos citar a aplicação do geotêxtil como filtro, onde as propriedades relevantes são as hidráulicas. Neste caso, quanto maior for a gramatura do geotêxtil, menor é a eficiência das propriedades hidráulicas, como permeabilidade, permissividade e fluxo de água. Devem ser analisadas quais serão as reais necessidades do projeto, de modo a aperfeiçoar à escolha do geotêxtil mais indicado.

  


Não necessariamente. Como já citado na resposta acima, cada propriedade é relevante para determinada aplicação, de maneira que cada projeto deve ser analisado em virtude de uma correta especificação do geotêxtil em acordo com a função que o mesmo irá exercer.

  


Não necessariamente. Os geotêxteis são produzidos a partir de fibras sintéticas, sendo que essas fibras podem ser de poliéster ou polipropileno, curtas ou longas, virgens ou recicladas, além disso, os geotêxteis podem ou não serem agulhados, calandrados, entre outras características relativas ao processo produtivo de cada empresa, ou seja, materiais de mesmo peso podem ter sido produzidos com matérias primas e processos produtivos totalmente diferentes, e consequentemente divergiriam muito em suas propriedades mecânicas, hidráulicas e físicas.

  


Para o Correto Armazenamento deve-se seguir os seguintes critérios: Manter a embalagem original intacta, sempre que possível, até o momento e local de utilização. Se o Geotêxtil for estocado ao ar livre, deve ser coberto com lona preta polietileno, para protegê-lo da ação dos raios U.V. e de eventual absorção de água. Em qualquer situação, o plano de apoio das bobinas de Geotêxtil deve ser seco, livre de terra, óleo, solventes e enxurradas. Para tanto, pode-se utilizar pranchas de madeira ou estrados. Se, porventura, a estocagem foi imprópria, com exposição ao sol, enxurradas, solventes, etc., as primeiras voltas externada da bobina devem ser sacrificadas aproveitando-se somente o material intacto.

  


  Sim, porém em um curto espaço de tempo. O geotêxtil possui uma resistência a raios UV, para não sofrer danos durante o período de instalação, porém se for exposto ao sol por longos períodos o mesmo pode perder suas propriedades, o que acarretará em danos durante a vida útil da obra qual for aplicado.

  


Sim, o mau funcionamento de um geotêxtil pode causar, por exemplo, o entupimento de um sistema de drenagem e consequentemente a queda de uma estrutura de contenção, causando enormes prejuízos e até mesmo a perda de vidas humanas. Este mau funcionamento pode ser causado pelo comprometimento das propriedades originais do geotextil, o que pode ocorrer devido à má qualidade do produto, instalação mal feita ou erros de projeto e especificação de material.

  


  A principal diferença entre estes dois polímeros, esta relacionada aos tipos de ataques químicos e físicos aos quais os mesmos são susceptíveis. Por exemplo, as fibras de polipropileno possuem baixíssima absorção de umidade e maior resistência aos agentes químicos sintéticos e naturais, se comparadas às fibras de poliéster. Já as fibras de poliéster possuem maior resistência à foto degradação e intempéries, se comparadas às fibras de polipropileno. Uma correta especificação de geotêxtil deve considerar os fatores aos quais os materiais estarão expostos, como por exemplo, a possibilidade do geotêxtil sofrer hidrólise, que consiste na quebra da estrutura molecular do polímero por reação química, neste caso o comportamento do polipropileno é mais interessante, pois apresenta melhor resistência a estas condições típicas em aplicações do geotêxtil como filtração de barragens de rejeito, obras fluviais, lagoas de tratamento de efluentes entre outras.

  


Quando um geotêxtil não é devidamente dimensionado para sua aplicação, levando-se em consideração às propriedades do solo ao qual o geossintético estará em contato, este pode vir a sofrer colmatação, ou em outras palavras, o geotêxtil pode sim, colmatar. A Colmatação Física é dividida em três tipos: Cegamento: partículas de diversos tamanhos obstruem os poros do geotêxtil. Bloqueamento: partículas de mesmo diâmetro dos poros encaixam nos mesmos. Colmatação interna: partículas finas de solo saturam os orifícios de filtração. A Colmatação Química é oriunda de contaminações de substâncias tóxicas e (ou) corrosivas. A Colmatação Biológica é causada pela proliferação de colônias bacterianas. A probabilidade de um geotêxtil colmatar pode ser avaliada através de ensaios de laboratório que avaliam o comportamento do geossintético na presença de solos, geralmente finos.

  


Para solos puramente argilosos, recomenda-se a adoção de uma camada de areia entre o solo fino e o geotêxtil, diminuindo-se assim drasticamente a possibilidade de colmatação física do geotêxtil, através da criação de um pré-filtro pela camada de solo granular.

  


A caracterização do produto e o controle de qualidade são conseguidos através de suas propriedades. Os ensaios a serem realizados para estabelecer estas propriedades se dividem em duas classes dominantes: ensaios de caracterização que tem por objetivo a especificação do produto e seu controle de qualidade e os ensaios de desempenho que buscam os parâmetros necessários aos projetos de engenharia. As principais propriedades obtidas através dos ensaios de laboratório são:

  


  Não. As faces do MacTex® têm propriedades iguais em ambos os lados, portanto, pode ser aplicado de qualquer lado.

  


  m²

  


Não. Os componentes dos geocompostos MacDrain® não são uma geomanta MacMat e dois geotêxteis MacTex. O núcleo drenante do MacDrain, embora se assemelhe fisicamente muito a uma geomanta MacMat, é produzido com polímeros e aditivos diferentes, o que lhe confere maior rigidez, melhor resistência à compressão e consequentemente melhor capacidade de vazão que uma geomanta MacMat, produzida com polímeros e aditivos selecionados especificamente para lhe conferirem flexibilidade e resistência aos raios UV.   Em relação aos geotêxteis, os filtros utilizados na composição do MacDrain recebem tratamento especial durante sua produção, principalmente no que diz respeito à sua espessura, abertura aparente e probabilidade de colmatação, além do que, este geotêxtil é termofixado ao núcleo drenante durante o processo de fabricação do MacDrain, o que confere ao produto final um comportamento uniforme, muito mais eficiente que um sistema composto.

  


Deixe um comentário